segunda-feira, 2 de julho de 2007

Um mês e meio de conferências, cinema e artes performativas

Começam a desaparecer os primeiros sinais da Plataforma 2 do Estado do Mundo: os cartazes da programação dos espectáculos, os vídeos promocionais nos halls da Fundação... começam a constituir-se as memórias.

APR

16 comentários:

Anónimo disse...

Guardar...

"...Je crois qu'il avait quand même dit vrai: moi aussi, c'est le premier jour que je me rappelle le plus précisément, en effet, quand j'y pense, plus précisément que les jours suivants..."

Imre Kertész, "Être sans destin", Actes Sud, 1988

Anónimo disse...

A memória é uma casa em ruínas.
Por isso escrevo.
A memória não se perde.A terra sabe o que já esqueci.
Frágil memória a minha, que nem recordo como cheguei aqui - algumas cenas dos últimos cinquenta anos, uma ou outra visão dos últimos cinquenta séculos. Nada mais.

in " Da frágil sabedoria" Casimiro de Brito- Editora Quasi

Anónimo disse...

" A claridade coroa-se de cinza eu sei:
é sempre a tremer que levo o sol à boca "

Eugénio de Andrade, " Contra a Obscuridade"

Anónimo disse...

"...

Que manhã queria ainda

de areia

ou seda sobre a boca

antes de entrar em Itaca?

... "

Eugénio de Andrade, " O Peso da Sombra"


Bom dia!

AF disse...

Mas, mas muitos parabéns. Foi um grande e verdadeiro fórum cultural.

Anónimo disse...

Fim de Festa,

a nostalgia, atravessa-nos.
Mas, é verdade, vamos ainda permanacer mais um pouco juntos na continuação o do "grande e verdadeiro fórum cultural", sim.

Parabéns também pelas portas e corações que se abriram, graças a todos os convidados e participantes, que - vêmo-lo no blogue EdM - fazem com que o mundo depois do Forum tenha mais "olhinhos abertos", pelo mundo, no mapa do mundo.

Sim, sem reservas!

Anónimo disse...

" História de Verão

Uma abelha, dessas que dizem ser italianas, entrou pela janela, obstinou-se em escolher-me, pousa-me no ombro, descansa dos seus trabalhos. Lisonjeado com aquela preferência, comecei a amá-la devagar, retendo a respiração, com receio de que não tardasse a dar pelo seu engano, que cedo viesse a descobrir que não era eu a haste de onde se avistam as dunas. Mas o seu olhar tranquilizava, era calma ondulação de trigo. Agora só uma interrogação perturbava a minha alegria - comigo, como é que faria o seu mel "?

Eugénio de Andrade, "Memória Doutro Rio"

Anónimo disse...

"Frágil memória a minha, que nem recordo como cheguei aqui..."

Agora sobre a memória... não sei se é tanto memória ou o esquecimento. E esquecimento é uma defesa. A pessoa esquece para evitar a dor, o incómodo que a memória, de alguma forma, pode provocar.
O esquecimento esse sim poderá ser uma casa - uma memória - em ruinas...

Anónimo disse...

Acabam uns, começam outros…

Les poètes au Festival d’Avigon
« Figures de Style »

"... Quiconque refuse le fait accompli entre en hostilité avec lui-même et livré sans rémission à toutes les raffinements de la conscience et de son malheur, ne retrouvera jamais repos, à moins de tabler par un lâche calcul sur les effetts thérapeutiques du temps pour empêcher qu’elle le commande et le détruise, mais même si le besoin de souffler un peu devait un jour y conduire, comment vouloir d’un tel repos qui aurait le sens d’une trahison?..."

Louis-René des Forêts, « Obstinato », 1993

Anónimo disse...

Festival d'Avignon

... C'est très fatigant l'émotion...
Francis Ponge

Ponge,Jabès,Paz et Des Forêts, un quatuor contemporain au coeur du Festival D'Avignon", in "Libération", aujourd'hui

Anónimo disse...

Mémoire et oubli...
Emotions et sentiments...
L'œuvre et l'auteur...

Portrait avec des ressemblances:

"- personne à la fois courageuse et prudente/intransigeante et aimable/admirable et irritante/proche de ce qu'on peut observer, de ce qui est concret et pourtant étonnamment portée à la métaphysique./Ses sentiments personnels ne se révèlent jamais dans ses écrits(...) et on doit les reconstituer à partir d'un millier d'indices épars."

Ant onio Damasio, "Spinoza avait raison - joie et tristesse, le cerveau des émotions", Odile Jacob,2005,p.23

Anónimo disse...

7.
Carta de Orfeu a Eurídice

...e a recordação é o que está depois do que foi/
vivido,como se fosse a memória a construir/
o dia de amanhã."

"Pedro Lembrando Inês", Nuno Júdice

mjh disse...

Tantas informações,tantas emoções, tantos prazeres! É bom agora ter tempo para recordar, assimilar, integrar. E depois se se sente vontade de recomeçar é sinal de que foi bom. E para o ano, no 51o aniversário da Gulbenkian, pode haver mais... A Gulbenkian deve ser um espaço de constante fervilhar de ideias!

Anónimo disse...

Musica...

Aqui uma grande roda de palavras de mãos dadas
à escuta da musica
dist - ant - e
do Jardim do Mundo!

Bom dia!

Anónimo disse...

"...Tudo o que eu vi estou a partilhar contigo..."

"Encosta-te a mim"
Jorge Palma

Anónimo disse...

DES
GOSTO... meu

"Do teu corpo que tem a cor do mel
a náusea há-de ficar - não doçura!"

D.M.Ferreira